Conheça as ilustrações de Malika Favre

Ousadia, minimalismo, formas geométricas, cores e a impressionante aplicação do contraste entre espaços positivos e negativos são ingredientes que tornam as obras de Malika Favre incríveis.

Malika Favre é uma artista francesa que vive em Barcelona e cujo o mantra é “menos é mais”.

Nas ilustrações de Malika tudo parece fluir, tudo se encaixa. É por isso que seus belos designs com linhas delicadas, gestos sedutores e cores vibrantes e intensas conseguiram encantar grandes marcas.

Seu estilo inconfundível a estabeleceu como uma das artistas gráficas mais procuradas da Europa. Os clientes de Malika incluem The New Yorker, Vogue, BAFTA, Sephora e Penguin Books.

A paixão pela arte começou quando ela era ainda criança. A mãe, pintora, foi uma grande influência para que Malika pudesse expressar sua imaginação.

Em entrevista dada à CC/Magazine Malika disse que a mãe lhe ensinou tanto proporções e técnicas quanto a libertar sua criatividade. “Meu mundo interior era algo que eu realmente deveria valorizar para me tornar uma artista” foram ensinamentos que a artista ouvia da mãe.

"Trabalho de forma muito intuitiva. Primeiro em me concentro em ideias conceituais rudimentares e, em seguida, começo a parte visual que se encaixa nesse conceito"

Malika Favre

A cor é uma grande parte do seu trabalho e eu, particularmente, admiro a maneira como ela as utiliza para criar sombras bem marcadas.

Segundo Malika “há um mundo real de símbolos e emoções por trás de cada cor ou paleta e um mundo que as pessoas ressoam em um nível muito primitivo”. Ela usa as cores como o último tijolo na construção de uma preça. A paleta existe para fortalecer a história de uma ilustração específica.

Em 2020 Malika lançou o seu livro “Kama Sutra AZ”, um projeto pessoal que a ilustradora desenvolveu ao longo dos anos.

“O projeto Kama Sutra aconteceu em 3 etapas, com intervalos de alguns anos. O primeiro foi o desenho da capa do manuscrito original do Kama Sutra com os livros Penguin para os quais desenhei as primeiras 7 letras” – disse a autora.

"As possibilidades eram infinitas e quanto mais eu lia mais eu percebia que a curadoria seria muito pessoal e mostraria poesias que eu pessoalmente acho tentadoras"

Malika Favre

Segundo ela, o livro carrega a emoção do seu primeiro trabalho como ilustradora freelancer e considera charmoso olhar um trabalho antigo e deixá-lo intacto.

O livro demorou, ao todo, sete anos para nascer, de fato.

Em entrevista à CC/Magazine, quando perguntada sobre como encontrou uma linguagem visual tão distinta e pessoal, Malika disse que “o estilo de cada um tem que vir de um lugar pessoal. É a soma de suas experiências, seu gosto pessoal, as coisas que você viu e viveu e a maneira como você vê o mundo ao seu redor”. Ela desenvolveu seu estilo ao longo dos anos combinando suas ilustrações cada vez mais até que se tornassem veradeiros manifestos.

Desde que conheço a Malika Favre seu trabalho me influencia diariamente. As cores, as formas geométricas sólidas e a fluidez das ilustrações se conectam muito com a minha maneira de me expressar.

E sabe qual é o sonho da Malika? Passar seis meses em turnê pela América do Sul. Imagina as coisas lindas que não seriam criadas inspiradas na nossa terrinha.

Curtiu o post? Compartilhe nas suas redes sociais:
Imagem padrão
Itamara Ferreira
Designer, criadora do Leiautar e especialista em diálogos delirantes. Adora ouvir pessoas apaixonadas pelo que fazem e acredita que o design está em tudo e é para todos.

Deixar uma resposta